As teorias da evolução são como as sardinhas?

fonte: aqui

E este mapa que retrata a história do mundo desde o ano 2.000 AC? Foi a partir daqui que começou a história como a conhecemos?  Eventualmente pode ir até 4.500 AC e aos povos da Suméria. Não é impressionante não se saber nada num planeta com 4,54 mil milhões de anos a não serem pistas, teorias e ossos que alguém nos diz o que pensam que pode ser? Não é impressionante pensar que faz todo o sentido acreditarmos no que nos dizem mas que em 50% das situações quando a ciência evolui descobre-se que os outros 50% afinal não eram bem assim? Como as sardinhas. Ora fazem bem à saúde, ora fazem mal.

histomap-big.jpg

 

História Da Europa: 2500 Anos Em 10 Minutos

Impressionante assistir a vários séculos de história em 10 minutos e perceber a dimensão que atingiu e o tempo que durou o império romano. Perceber que a Península Ibérica esteve tomada pelo Califado Omíada (Alandalus) e outros. Após milhares de anos, aparecemos em 1.139 como país e com um rei. Em 1297 foram definidas as fronteiras no tratado de Alcanizes, tornando Portugal no mais antigo Estado-nação da Europa. Desde essa data que permanecemos sossegaditos apesar da Europa andar em constante alvoroço. Impressionante também a dimensão que a Alemanha atingiu durante o Nazismo.

(link na foto)Captura de ecrã 2018-12-25, às 19.28.17.png

Ensaios clínicos, essenciais no desenvolvimento de novos medicamentos

fonte: http://www.dn.pt/opiniao/opiniao-dn/convidados/interior/ensaios-clinicos-essenciais-no-desenvolvimento-de-novos-medicamentos-5198149.html

A 20 de maio de 1747, o médico da marinha britânica James Lind conduziu aquele que é hoje reconhecido como o primeiro ensaio clínico da história. O estudo, realizado num grupo de marinheiros que sofriam de escorbuto, permitiu registar pela primeira vez os efeitos positivos da vitamina C num grupo de indivíduos a quem foi administrado sumo de limão. O cirurgião, ao realizar o primeiro estudo comparativo em condições experimentais controladas, constituiu a base para os princípios de investigação clínica e para a inovação terapêutica em saúde.

Inspirados por este ato de audácia e de conquista de ganhos em saúde, devemos renovar, enquanto país, a ambição de ir mais longe no campo da inovação em saúde.

Infelizmente, existe um desconhecimento generalizado em relação à realização de ensaios clínicos. No entanto, sem estes estudos, peça essencial no desenvolvimento de novos medicamentos, paralisaríamos o progresso do conhecimento científico e a inovação em saúde, comprometendo a evolução positiva na sobrevivência e na qualidade de vida de todos nós.

Importa salientar que a condução de estudos clínicos obedece a regras muito claras e rigorosas, reduzindo o risco inerente ao desenvolvimento de medicamentos experimentais, e salvaguardando a segurança dos participantes.

A indústria farmacêutica é a principal fonte de inovação na investigação e no desenvolvimento de novas terapêuticas e como tal responsável por grande parte dos ensaios clínicos promovidos a nível mundial.

A Apifarma defende o valor da investigação clínica para os doentes e para a sociedade e acredita na importância de ações que contribuam para uma maior literacia nesta área. Nesse âmbito, disponibilizou no seu website um conjunto de vídeos dedicados a explicar e a simplificar alguns conceitos em relação ao tema.

Além do benefício para os doentes, os ensaios clínicos permitem produzir conhecimento essencial ao progresso da prática clínica, contribuem para o reforço das qualificações dos profissionais de saúde e, em última análise, para a melhoria dos cuidados assistenciais.

Adicionalmente, uma cultura sólida de investigação clínica a nível nacional poderá aumentar a qualidade e a visibilidade da ciência produzida em Portugal e simultaneamente contribuir para a economia do conhecimento no nosso país.

Por tudo isto, o Dia Internacional dos Ensaios Clínicos, assinalado no passado dia 20 de maio, constitui um momento para reafirmar, enquanto país, o nosso compromisso com a investigação e com a inovação em saúde e reconhecer todos os seus contributos para o progresso científico e a melhoria da nossa saúde.

Vice-presidente da Apifarma

O que é que a Alemanha tem que os outros não têm?


Em 8 de Maio de 1945, quando capitulou perante os Aliados, a Alemanha era um país devastado; poucos anos volvidos era a potência económica n.º 1 da Europa. O que aconteceu entretanto?

(…)

Os bombardeamentos aliados destruíram um quarto dos 16 milhões de lares alemães (…), produzindo um volume total de escombros estimado em 400 milhões de metros cúbicos e deixando sem casa 18 a 20 milhões de alemães.

(…)

os especialistas em planeamento urbano estimaram que a reconstrução levaria pelo menos 70 anos – e acabaram por não andar longe da verdade, já que a Frauenkirche, uma das mais belas igrejas da cidade, só viu o seu restauro concluído em 2005.

(…)

As perdas humanas elevaram-se a 4,5 milhões de soldados e 1,5 milhões de civis…

(…)

Na Alemanha de 1945 não só havia um milhão de órfãos de guerra como muitas famílias tinham ficado separadas devido às deslocações e convulsões dos últimos meses de guerra. No Verão de 1945 havia 53.000 crianças perdidas só em Berlim.

In jornal observador aqui

José Pepe Mujica Río + 20

José Pepe Mujica Río + 20

Wikipedia.org

José Alberto Mujica Cordano (Montevidéu, 20 de maio de 1935) é um agricultor e político uruguaio, atual presidente da República Oriental do Uruguai eleito em 29 de novembro de 2009.
Já foi deputado, ministro da Pecuária, Agricultura e Pesca e, durante a juventude, militou em atividades de guerrilha, como membro do Movimento de Libertação Nacional-Tupamaros.

Rio+20
A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (CNUDS), conhecida também como Rio+20, foi uma conferência realizada entre os dias 13 e 22 de junho de 2012 na cidade brasileira do Rio de Janeiro, cujo objetivo era discutir sobre a renovação do compromisso político com o desenvolvimento sustentável.
Considerado o maior evento já realizado pela Nações Unidas, o Rio+20 contou com a participação de chefes de estados de cento e noventa nações que propuseram mudanças, sobretudo, no modo como está sendo usado os recursos naturais do planeta. Além de questões ambientais, foram discutidas, durante a CNUDS, questões relacionadas à questões sociais, como a falta de moradia, por exemplo.
O evento ocorreu em mais de dez locais diferentes, tendo o Riocentro sido o principal local de debates e discussões da Rio+20. Além deste, o evento foi realizado, oficialmente, no Aterro do Flamengo, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e em mais de cinco outros locais.