Ensaios clínicos, essenciais no desenvolvimento de novos medicamentos

fonte: http://www.dn.pt/opiniao/opiniao-dn/convidados/interior/ensaios-clinicos-essenciais-no-desenvolvimento-de-novos-medicamentos-5198149.html

A 20 de maio de 1747, o médico da marinha britânica James Lind conduziu aquele que é hoje reconhecido como o primeiro ensaio clínico da história. O estudo, realizado num grupo de marinheiros que sofriam de escorbuto, permitiu registar pela primeira vez os efeitos positivos da vitamina C num grupo de indivíduos a quem foi administrado sumo de limão. O cirurgião, ao realizar o primeiro estudo comparativo em condições experimentais controladas, constituiu a base para os princípios de investigação clínica e para a inovação terapêutica em saúde.

Inspirados por este ato de audácia e de conquista de ganhos em saúde, devemos renovar, enquanto país, a ambição de ir mais longe no campo da inovação em saúde.

Infelizmente, existe um desconhecimento generalizado em relação à realização de ensaios clínicos. No entanto, sem estes estudos, peça essencial no desenvolvimento de novos medicamentos, paralisaríamos o progresso do conhecimento científico e a inovação em saúde, comprometendo a evolução positiva na sobrevivência e na qualidade de vida de todos nós.

Importa salientar que a condução de estudos clínicos obedece a regras muito claras e rigorosas, reduzindo o risco inerente ao desenvolvimento de medicamentos experimentais, e salvaguardando a segurança dos participantes.

A indústria farmacêutica é a principal fonte de inovação na investigação e no desenvolvimento de novas terapêuticas e como tal responsável por grande parte dos ensaios clínicos promovidos a nível mundial.

A Apifarma defende o valor da investigação clínica para os doentes e para a sociedade e acredita na importância de ações que contribuam para uma maior literacia nesta área. Nesse âmbito, disponibilizou no seu website um conjunto de vídeos dedicados a explicar e a simplificar alguns conceitos em relação ao tema.

Além do benefício para os doentes, os ensaios clínicos permitem produzir conhecimento essencial ao progresso da prática clínica, contribuem para o reforço das qualificações dos profissionais de saúde e, em última análise, para a melhoria dos cuidados assistenciais.

Adicionalmente, uma cultura sólida de investigação clínica a nível nacional poderá aumentar a qualidade e a visibilidade da ciência produzida em Portugal e simultaneamente contribuir para a economia do conhecimento no nosso país.

Por tudo isto, o Dia Internacional dos Ensaios Clínicos, assinalado no passado dia 20 de maio, constitui um momento para reafirmar, enquanto país, o nosso compromisso com a investigação e com a inovação em saúde e reconhecer todos os seus contributos para o progresso científico e a melhoria da nossa saúde.

Vice-presidente da Apifarma

Desenvolvimento do terceiro mundo

Portanto, a promessa de “desenvolvimento” para o “terceiro mundo” é uma ilusão que os países industrializados usam para justificarem o seu continuo crescimento industrial e aumento do consumo de energia, porque, no fundo, sabem que essa promessa se cumprisse o seu próprio modo de vida “moderno” (e “pós-moderno) estaria condenado. – Luís Batalha, Antropologia Uma Perspectiva Holística