A Origem das Especies

(…) a verdadeira história da natureza não é feita, exclusivamente, da concorrência selvagem entre agentes egoístas, como o próprio Darwin percebeu. A Origem das Especies termina com uma das mais famosas passagens escritas da história da ciência, que se faz eco da entrada do diário escrita pelo autor mais de vinte anos antes, ao deixar as ilhas Keeling:

É interessante contemplar uma margem com uma vida tão emaranhada, coberta com um manto de plantes de tantas espécies, com aves a cantar nos bosques, com vários insectos a esvoaçar em torno de nós e com vermes que rastejam pela terra húmida e chegar à conclusão de que estas formas elaboradamente construídas tão diferentes umas das outras e tão dependentes entre si e de uma maneira que é tão complexa, nasceram de leis que estão activas à nossa volta […] Deste modo, à guerra da natureza, à fome e à morte, segue-se directamente o objecto mais aclamado que somos capazes de conceber, que são os animais superiores. Há uma grandeza nesta visão da vida […] 

– Steven Johnson, As Ideias Que Mudaram o Mundo. A história que natural da inovação. As estratégias para cultivar as nossas futuras descobertas criativas.

Marx e Darwin

Marx propôs-se dedicar o segundo volume de O Capital a Darwin, que objectou: «Eu preferiria que essa parte, ou volume, não me fosse dedicada (embora eu lhe agradeça a intenção da honra), porque isso iria sugerir, em certa medida, a minha aprovação de toda a obra, com a qual não estou familiarizado.» – Steven Johnson, As Ideias Que Mudaram o Mundo. A história que natural da inovação. As estratégias para cultivar as nossas futuras descobertas criativas.