Bennett Buggies

[Em 1932, após a crise de 1929] No Canadá, donos de automóveis apelidaram seus veículos de Bennett Buggies – satirizando o primeiro-ministro Richard Bennett: os donos não tinham como adquirir o combustível necessário para abastecê-los, ou tinham cortado a compra de combustível por considerarem-na um gasto supérfluo. Os veículos passaram a ser usados como carroças (buggies), puxados por cavalos ou outros animais. – Oswaldo Coggila, Quem Paga Estado Social em Portugal? Onde nos leva esta Crise Económica? O Estado de Bem-Estar Social Europeu tem Futuro? Dívida Pública: Dívida de Todos ou Negócio de Alguns

20130122-214452.jpg

A revolução

É neste período que os trabalhadores conseguem o subsídio de desemprego, generalização do direito à reforma e à segurança social; acesso generalizado a cuidados de saúde; direito ao divorcio civil para casamentos católicos; habitação social, controle do preço das rendas e de bens alimentares essenciais; nacionalização da banca e das seguradoras nacionais, reforma agrária, democratização da gestão do ensino secundário e superior. É ainda neste período, é preciso recordá-lo, que um dos mais básicos direitos é conquistado: o direito à autodeterminação dos povos de África colonizados por Portugal. Entre Julho de 1974 e Novembro de 1975 é oficialmente reconhecida a independência da Guiné-Bissau, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Moçambique e Angola. – Raquel Varela, Quem Paga Estado Social em Portugal? Onde nos leva esta Crise Económica? O Estado de Bem-Estar Social Europeu tem Futuro? Dívida Pública: Dívida de Todos ou Negócio de Alguns

A arte da política

“A política foi, em primeiro lugar, a arte de impedir as pessoas de se intrometerem naquilo que lhes diz respeito”, escreveu o poeta francês Paul Valéry. – Raquel Varela, Quem Paga Estado Social em Portugal? Onde nos leva esta Crise Económica? O Estado de Bem-Estar Social Europeu tem Futuro? Dívida Pública: Dívida de Todos ou Negócio de Alguns

20121129-231428.jpg

Wikipedia.org

Ambroise-Paul-Toussaint-Jules Valéry (Sète, 30 de outubro de 1871 — Paris, 20 de julho de 1945) foi um filósofo, escritor e poeta francês da escola simbolista cujos escritos incluem interesses em matemática, filosofia e música.
Realizou os estudos secundários em Montpellier e iniciou sua carreira em Direito em 1889. Na mesma época publicou seus primeiros versos, fortemente influenciados pela estética da literatura simbolista dominante na época. Em 1894 se instalou em Paris, onde trabalhou como redator no Ministério de Guerra. Depois da Primeira Guerra Mundial se dedicou inteiramente à literatura e foi aceito pela Academia Francesa em 1925.
Sua obra poética foi influenciada por Stéphane Mallarmé, que consequentemente influenciou outro francês, Jean-Paul Sartre.

O Estado Social

O médico já nem tem tempo para examinar o paciente, limitando-se a cuidar da papeladas demais burocracia – pouco mais se consegue fazer em 5 ou 10 minutos. Verifica-se uma brutal queda da qualidade da assistência médica social (não por culpa dos médicos mais sim por imposição governamental), independentemente do número de médicos em exercício. – Raquel Varela, Quem Paga Estado Social em Portugal? Onde nos leva esta Crise Económica? O Estado de Bem-Estar Social Europeu tem Futuro? Dívida Pública: Dívida de Todos ou Negócio de Alguns

20121105-211725.jpg

20121105-211737.jpg

Europa

De repente, num passo de mágica deixaram de existir trabalhadores alemães e trabalhadores portugueses, banqueiros alemães e banqueiros portugueses, e passou a existir só a Alemanha, Portugal, a Grécia, a Espanha. – Raquel Varela, Quem Paga Estado Social em Portugal? Onde nos leva esta Crise Económica? O Estado de Bem-Estar Social Europeu tem Futuro? Dívida Pública: Dívida de Todos ou Negócio de Alguns

Estado-Social

A partir do momento em que se transformou a crise do sector bancário em crise da dívida pública, não se comenta mais a origem da actual crise. O foco passou a ser a dívida pública e o funcionamento do sector público, culpando-se fortemente o estado de bem-estar social como se este fosse o responsável pela crise. Dessa forma, buscam justificar a necessidade dos planos de austeridade fiscal recorrentes para que os recursos antes destinados às necessidades sociais passem a ser canalizados para o pagamento da dívida “pública”. – prefacio de Maria Lucia Fattorelli, Raquel Varela, Quem Paga Estado Social em Portugal? Onde nos leva esta Crise Económica? O Estado de Bem-Estar Social Europeu tem Futuro? Dívida Pública: Dívida de Todos ou Negócio de Alguns